Pesquisar neste blogue

Tradutor

quarta-feira, novembro 29, 2017

Rotas da Sefarad prontas a receber visitantes



O PROJETO “ROTAS DE SEFARAD”  LANÇA  UMA REDE DE 17 MUNICIPIOS QUE RECUPERARAM OS VESTÍGIOS DA PRESENÇA DE JUDEUS SEFARDITAS DURANTE SÉCULOS E PREPARA-SE PARA RECEBER VISITANTES E ESTUDIOSOS.

No total, são 17 as intervenções materiais realizadas, segundo Celeste Amaro, a diretora da DRCC Direção Geral da Cultura Centro ressalva ainda as mais-valias deste projeto no que concerne à promoção do turismo judaicao e o turismo cultural em geral.

“É uma rota muito interessante e com um potencial enorme porque dá a conhecer a história dos judeus em Portugal e que, simultaneamente, diz muito do que somos enquanto país ao nível do diálogo intercultural e religioso. Além disso, será uma nova oferta cultural que também deverá contribuir para potenciar o setor do turismo judaico nestes territórios”, referiu.

O facto de a rota abarcar “uma boa parte do país” e de poder apoiar a dinamização de municípios do Interior são também aspetos sublinhados por Celeste Amaro, da DRCC.

1. Memorial e Centro de Documentação Bragança Sefardita
2. Hejal (Centro Paroquial da nossa Senhora da Vitória no Porto)
3. Sinagoga de Vila Cova à Coelheira (Vila Nova de Paiva)
4. Museu Bandarra (Trancoso)
5. Memorial de Aristides de Sousa Mendes em Vilar Formoso e a Sinagoga de Malhada Sorda (Almeida)
6. Casa da História Judaica da Raia Sabugalense (Sabugal)
7. Museu Judaico (Belmonte)
8. Casa da Memória Sefardita António Ribeiro Sanches (Penamacor)
9. Casa da Memória Judaica e dos Cristãos-Novos (Castelo Branco)
10.  Centro de Diálogo Interculturas de Leiria (Leiria)
11.  Sinagoga de Tomar
12. Centro de Interpretação Garcia D’Orta (Castelo de Vide)
13. Story Center dedicado à presença Judaica na Idade Média (Torres Vedras)
14. Museu Damião de Góis e das Vítimas da Inquisição (Alenquer)
15. Musealização do Museu Judaico de Belmonte
16. Casa da História Judaica de Elvas
17 Casa da Inquisição (Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz).

“O projeto encerra no final de dezembro e teremos uma taxa de execução de cerca de 95%, com um investimento total que, incluindo as verbas municipais, acaba por traduzir-se em mais de sete milhões de euros”, disse à agência Lusa Celeste Amaro, diretora da Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC), entidade designada como operadora deste programa.

“Os municípios também se empenharam muito nos projetos e, com isso, conseguimos ter aqui uma rota de mais de sete milhões de euros que nos permite preservar a identidade e cultura judaica do país, ao mesmo tempo, que nos permitiu valorizar o património local e o território”, disse.

Denominado “Rotas de Sefarad, Valorização da Identidade Judaica Portuguesa no Diálogo de Culturas”, este projeto foi lançado em junho de 2014, tendo como entidade promotora a Rede de Judiarias de Portugal e um financiamento assegurado de 4,7 milhões de euros, sendo quatro milhões do EEA Grants e mais 705 mil euros do Estado Português. O projeto teve também o envolvimento do Museu do Holocausto de Oslo.

Segundo os dados da DRCC, a essas verbas juntaram-se ainda os cerca de 2,5 milhões de euros, assegurados pelos municípios onde foram realizadas as intervenções.

O EEA Grants é um mecanismo europeu financiado pela Noruega, Luxemburgo e do Lichenstein, que apoiou em quatro milhões de euros o projeto “Rotas de Sefarad”, cuja cerimónia de encerramento está marcada para terça-feira, às 15h00, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, estando prevista a presença do ministro da Cultura, Luís Castro Mendes.

http://www.mediotejo.net/rotas-de-sefarad-encerra-com-execucao-de-95-e-investimento-superior-a-sete-me/






quinta-feira, novembro 23, 2017

GALP - uma empresa parceira na reflorestação?

Os incêndios deste Verão em Portugal representaram perdas graves a diversos títulos - humanas e materiais, em primeiro lugar, mas também outras, cujo impacto se dará a conhecer apenas a médio ou longo prazo: as perdas ambientais, de biodiversidade, e o seu impacto no valor patrimonial e cultural das regiões, com tradução no turismo e na economia em geral.

Mas à resistência das populações, há a acrescer a mobilização de algumas empresas que estão a contribuir, dentro da sua responsabilidade social, para a reflorestação: veja-se o exemplo da GALP, cujos trabalhadores estão hoje na Serra do Açor a proceder à plantação de 5000 árvores. Excelente iniciativa, que muito honra as empresas portuguesas!

Ao CEO da GALP, Carlos Nuno Gomes da Silva, deixamos o convite para visitar o distrito de Viseu. Seremos seus guias para conhecer a aldeia-berço de Angelina de Sousa Mendes, Beijós, o riquíssimo património desta região onde pontua a Casa do Passal e o seu futuro Museu - e quem sabe aliar-se à nossa população para ajudar a reabilitar um dos concelhos mais afectados pelos incêndios.


Mais sobre esta iniciativa, o movimento Terra de Esperança e a responsabilidade social da GALP, aqui.


foto: Imagens de Marca / SIC

Limpeza étnica em curso - Myanmar expulsa Rohingya 2017

As notícias de limpeza étnica não acabaram com o fim da Segunda Guerra Mundial WWII. 
Segundo o livro de "Francis Wade, Myanmar's Enemy Within" o poder de forças como nacionalismo e religião pode ser abusado e levar à explosão de violência étnica entre comunidades diferentes. 
O livro, publicado antes da maiores atrocidades, descreve como elas poderiam vir a acontecer.  E aconteceram, com base numa "narrativa bizarra" de que a minoria muçulmana representa uma ameaça para a maioria budista num país de 53 milhões. 
Qual foi a faísca? A faísca foi o culminar de  campanhas de ódio com anos e décadas, agressivas e progressivas,  já neste século, o século XXI.


VER The Economist, the book that foresaw the assault on the Rohingya muslim minority  https://www.economist.com/news/books-and-arts/21730132-francis-wade-predicted-miserable-fate-myanmars-hated-muslim-minority-book
Quem são http://observador.pt/2017/09/13/quem-sao-os-rohingya-e-por-que-fogem-de-myanmar/ ,
Genocídios recentes http://amigosdesousamendes.blogspot.pt/2012/08/hard-to-believe-genocide-in-our-times.html



segunda-feira, novembro 20, 2017

Conferência - Refugiados na Europa, Uni Coimbra, 29-Nov, 14h

Em 2016 cerca de 364 000 refugiados atravessaram as fronteiras europeias via Grécia e Itália. Na maior parte dirigiam-se à Alemanha ou à Áustria, no sentido de obter proteção, de incrementar as suas oportunidades económicas e também com vista a encontrarem uma vida melhor para si e para as suas famílias. A União Europeia e os seus estados-membros localizados ao centro e no sul foram forçados a reagir com celeridade e a desenvolver as infraestruturas necessárias. De facto, os refugiados menores de idade, quando desacompanhados, são os que requerem um apoio especial em termos de educação, no que se refere aos procedimentos burocráticos ou até quanto ao planeamento das suas atividades de lazer.
Vimos por este meio convidá-lo /la a estar presente nesta conferência,

  The Refugee Crisis in Europe
Confusion – Trauma – Culture Clash
 4ª- feira, 29. 11. 2017, 14:00h
Anfiteatro III, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra   

A apresentação irá refletir sobre a recente crise com refugiados menores não acompanhados, na perspetiva dum professor de língua alemã. Terá em consideração diversos aspetos, como por exemplo os procedimentos habituais e obstáculos que os refugiados e as culturas recetoras têm de enfrentar, as condições sociais e os estados psicológicos dos jovens, bem como aspetos pedagógicos específicos. Convidamo-lo/a a participar no debate subsequente.
Em anexo enviamos o panfleto em inglês relativo a esta iniciativa e o anúncio (também para reencaminhar se deseja).
Com os melhores cumprimentos,​ Stephan M. Schweighofer  
   >>>>><<<<<
 2016, around 364.000 refugees crossed Europe’s borders via Greece and Italy. Most of them were heading to Germany or Austria in order to seek protection, increase their economic chances and allow for a better life for themselves and their families. The European Union and its central and southern member states were forced to quickly react and build sufficient infrastructure. Indeed, it is the unaccompanied minor refugees that require special support in terms of education, bureaucratic procedures or even planning their leisure time.  You are warmly invited to attend the upcoming talk.

The presentation will reflect on the recent refugee crisis from the perspective of a language teacher working with unaccompanied minor refugees. It will consider several aspects such as general procedures and obstacles the refugees and the receiving cultures have to face, sociological and psychological conditions as well as specific pedagogical aspects. You are also invited to engage in a discussion on the topic afterwards.
Best regards, Stephan M. Schweighofer

Passal - Concurso de conceção, apresentação publico, 6-Nov

Musealização da Casa de Aristides de Sousa Mendes

Apresentação dos resultados do Concurso de Conceção do Projeto
Teve lugar na  segunda-feira, dia 6 de novembro de 2017, a sessão de apresentação publica dos resultados da avaliação do Juri do Concurso Público de Conceção para a Elaboração do Projeto de Requalificação e Musealização da Casa do Passal, residência do Cônsul Aristides de Sousa Mendes em Cabanas de Viriato 
Farol da Nossa Terra:  
Encontrado o vencedor do concurso do Projecto de Requalificação e Musealização da Casa do Passal


Projecto do gabinete ´Rosmaninho & Azevedo Arquitectos’ obteve unanimidade do júri
Dos seis trabalhos candidatados ao Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto de Requalificação e Musealização da Casa do Passal, antiga residência do Cônsul Aristides de Sousa Mendes em Cabanas de Viriato, saiu vencedora, por unanimidade do júri, a proposta do gabinete de arquitectos ´Rosmaninho & Azevedo Arquitetos’, do Porto.
Também por unanimidade, só cinco dos trabalhos concorrentes foram validados, tendo o júri excluído o trabalho apresentado por Luísa Pacheco Marques Arquitecta, Sociedade Unipessoal Lda. Foram validados e classificados pelo júri os trabalhos candidatados por Rosmaninho & Azevedo Arquitectos (1.º lugar); Atelier do Beco da Bela Vista, Arquitectura Paisagística Lda (2.º); A1V2 Engenharia Civil e Arquitectura, Lda (3.º); Luís Peixoto (4.º); e Sérgio Miguel Godinho (5.º).
O júri da validação dos trabalhos e da respectiva classificação esteve constituído pelos arquitectos Antero Castanheira de Carvalho, da Direcção Regional da Cultura do Centro, Carlos Manuel de Jesus Santos, da Câmara Municipal de Carregal do Sal, Luís Miguel Freitas Figueira da Silva, da Ordem dos Arquitectos (Secção Regional Norte), e António Gil Nunes, da Direcção Regional de Cultura do Centro, e por Luís Humberto da Costa Fidalgo, membro da Comissão Executiva do Conselho de Administração da Fundação Aristides de Sousa Mendes.
A apresentação pública dos resultados e a identificação dos concorrentes ocorreram numa sessão realizada hoje, 06 de Novembro, às 15h00, no salão nobre dos Paços do Concelho de Carregal do Sal, com presença de Celeste Amaro, diretora regional da Cultura do Centro, e do júri. Coube ao representante da Fundação Aristides de Sousa Mendes a leitura da acta da reunião em que o júri classificou aqueles trabalhos.
A presença de público esteve francamente reduzida, não mais que uma dúzia de pessoas, fazendo maioria alguns autarcas municipais e de freguesia, o que revela alheamento da população num acto tão importante para o concelho, se bem que o dia e a hora terão exercido alguma indisponibilidade. Curiosamente, também nenhum representante dos concorrentes esteve presente.
Rogério Abrantes fez reparo da reduzida presença de público ao usar da palavra, altura em que se congratulou com mais este passo no sentido da recuperação total da Casa do Passal, depois da conclusão da primeira fase da obra. Afirmou: “A partir daqui, com a apresentação do projecto vencedor, estamos aptos para que se avance para a conclusão do projecto e a candidatura para a execução da obra”.
Por sua vez, Celeste Amaro estimou que a Casa do Passal possa abrir portas ao público em 2019, depois da necessária requalificação interior, que conta conseguir-se em 2018, meados de 2019, acrescentando: “Esperemos que em 2019 estejamos todos na Casa do Passal a inaugurá-la e a abri-la ao público definitivamente, pois há cerca de 50 anos que ela está encerrada”. Deu a saber que está disponível um montante de 800 mil euros, proveniente de fundos comunitários, mas desta vez sem a chamada contrapartida nacional, de 15%, que será assegurada pela Câmara Municipal.
Porta-voz do júri, o arquitecto Carlos Santos realçou a unanimidade na escolha do trabalho vencedor e na eliminação do trabalho excluído, fazendo depois sentir que os trabalhos apresentados ficaram aquém das expectativas que o júri tinha e que eram mais ambiciosas, mas admitiu que cumprem de uma forma genérica o programa.
A Casa do Passal foi alvo de uma primeira intervenção em 2014, ao nível das paredes exteriores e da cobertura, ficando para esta segunda fase o arranque definitivo da obra final de requalificação e musealização.
Fonte: http://www.faroldanossaterra.net/2017/11/06/encontrado-o-vencedor-do-concurso-do-projecto-de-requalificacao-e-musealizacao-da-casa-do-passal/

sexta-feira, novembro 17, 2017

Comité Sousa Mendes, 30 années, Bordeaux

Le président et le conseil d’administration du Comité Sousa Mendes sont heureux de vous convier à leur 30e anniversaire vendredi 17 novembre 2017, de 17 à 20 h 30

17 h :
conférence « Hommage aux soldats et travailleurs étrangers
et coloniaux engagés et morts pour la France en 1914-1918 »
de Jean-Louis Bordier avec Armelle Bonnin, historienne

18 h 30 :
présentation du livre "30 ans au service des mémoires",
lecture musicale "Le Juste" en hommage à Aristides de Sousa Mendes,
discours,
chant choral avec O Sol de Portugal, 

Aux Archives départementales de la Gironde, 72-78, cours Balguerie-Stuttenberg – Bordeaux.
Entrée libre

Armelle Bonin. Ancienne élève de l’Ecole normale supérieure, agrégée d’Histoire, ancienne directrice de Centre de recherche et de documentation pédagogique et co-présidente de la Société Historique et Archéologique d’Arcachon et du Pays de Buch (SAHAPB).
Jean-Louis Bordier. Président de « La Courtine 1917 », association pour la mémoire de la mutinerie des soldats russes à La Courtine en 1917 qui a pour but d’organiser et soutenir des initiatives et événements visant à faire connaître et défendre l’histoire du corps expéditionnaire russe pendant la guerre 1914-1917 et tout particulièrement l’histoire de la mutinerie des soldats de la première brigade cantonnée à La Courtine à partir du 22 juin 1917.
Ces initiatives et événements pouvant être des rassemblements, des manifestations, des conférences, des films, des expositions, des banquets, l’édition d’articles, de brochures, de livres, la promotion d’œuvres théâtrales ou chantées, etc.
L’association a également pour objectif d’agir pour que cette histoire de la mutinerie des soldats russes à La Courtine soit intégrée dans les programmes scolaires de l’enseignement public.
Nonprofit Organization · Bordéus
Depuis 1987, le Comité s'engage pour la mémoire du consul de Bordeaux, de l'immigration et des soldats étrangers engagés dans le conflit 1914-1918.